Abertura do Congresso dos Bancos Públicos aborda importância das instituições para reconstrução do Brasil

Aconteceu na noite desta quarta,dia 8, a abertura solene do Congresso específico dos trabalhadores e trabalhadoras dos bancos públicos nacionais,organizado pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro, a Contraf-CUT, e com a presidenta da entidade, Juvandia Moreira, coordenando os debates.O evento segue até o dia 10, em São Paulo.

 

 

Os diretores João Cardoso (bancário do Banco do Brasil) e Roberto Leite (bancário da Caixa Econômica Federal), presencialmente, e as bancárias Rani Kiapine Costa Jatubá (BB) e Joseli Ranullo (CEF), de maneira remota, representaram o Seeb Guarulhos no evento e acompanharam as manifestações contra os desmontes propostos pelo governo Bolsonaro e também sobre a importância dos bancos públicos na reconstrução de um país com emprego, saúde, educação, soberania e democracia.

 

 

Convidado para a abertura da solenidade, o engenheiro e economista Eduardo Moreira compartilhou sua visão sobre o discurso neoliberal e como ele é utilizado para “seduzir” o trabalhador e a trabalhadora de que todos podem competir em condições de igualdade com grandes empresários para, aos poucos, introduzir seu projeto de privatização e acabar com o patrimônio de todos os brasileiros e brasileiras. “É plantada a semente de que todos podem empreender, mas para empreender é preciso financiamento, energia e também o despacho do material. É à toa que estão querendo privatizar as empresas públicas? Claro que não, é um plano bem montado para encarecer ainda mais a prestação dos serviços”. 

 

 

 

Fato é que os bancos públicos são fundamentais para o desenvolvimento do país, para a ampliação da oferta de crédito mais barato para os pequenos e médios produtores e também na operação, manutenção dos programas sociais, e a Campanha Nacional dos Bancários deste ano reforçará o papel das instituições para a melhoria econômica e social do Brasil.

 

 

Soberania nacional e combate à fome – A recente pesquisa sobre Segurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 – que apontou que a fome atinge mais de 33 milhões de pessoas, ultrapassando os patamares da década de 90 – também foi citada durante a Conferência. Sérgio Takemoto, presidente da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa, a Fenae, reforçou a importância do voto em candidatos que estejam voltados a defender os mais pobres e que representem, de fato, os trabalhadores e trabalhadoras do país. “Não dá para aceitarmos naturalmente um país onde 33 milhões de pessoas não tenham o que comer. É por isso que esse é o ano das nossas vidas. Que temos o maior desafio das nossas vidas de fazer esse país retomar o caminho da democracia e da soberania. Temos um grande desafio que é essa campanha salarial, mas principalmente, como foi dito aqui, temos um desafio em outubro, que é resgatar a democracia, a pauta dos trabalhadores e da sociedade brasileira”, comentou.

 

Os congressos do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal continuam nesta quinta-feira (9).

Também serão realizados os encontros nacionais dos funcionários do Bradesco, Itaú e Santander.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

loading