As pessoas são mais importantes que a economia, diz Papa em meio à Covid-19

No Brasil o assunto do momento é a reabertura gradual dos comércios ao mesmo tempo em que o país sequer alcançou o pico dos contágios pelo coronavírus, o Papa Francisco lembra que as pessoas são mais importantes do que a economia.

 

Neste domingo (31), com uma Praça São Pedro meio vazia por causa das medidas restritivas para conter a disseminação do coronavírus, entre elas o distanciamento social e a proibição de entrada de turistas, o Papa Francisco foi enfático ao defender a vida.

 

“Curar as pessoas, não poupar (dinheiro) para ajudar a economia, (é importante) curar as pessoas, que são mais importantes do que a economia”, disse”.

 

Francisco saiu do discurso, lido da janela do Vaticano, o primeiro em três meses cumprindo o rigoroso isolamento da Itália que está chegando ao fim com 232.997 pessoas infectadas e 33.415 mortas pela Covid-19, até agora, para defender, mais uma vez a vida.

 

O papa Francisco não mencionou nenhum país, mas o discurso foi como um alerta para muitos governos que estão decidindo se reabrem suas economias para salvar empresas e padrões de vida, ou se mantêm o confinamento até que tenham certeza que o vírus está sob controle.

 

No Brasil, onde a pandemia já infectou mais de meio milhão de pessoas e levou a óbito mais de 29 mil, o isolamento sempre foi criticado pelo presidente Jair Bolsonaro (ex-PSL) que defende o isolamento vertical, só idosos e pessoas com comorbidade ficariam em casa, para, segundo ele, salvar a economia. A proposta é criticada por especialistas da área da saúde que apontam problemas como os jovens que saírem de casa contaminar os idosos ao voltar.

 

Bolsonaro chegou a levar um grupo de empresários ao Supremo Tribunal Federal (STF) para pressionar os ministros pela reabertura da economia. Um deles disse que era preciso salvar os CNPJs. No mesma semana, Bolsonaro teve uma reunião virtual com empresários e disse que eles precisavam pressionar os governadores para acabar logo com a quarentena.

 

De lá para cá, os estados foram decretando a reabertura do comércio. Até São Paulo, epicentro da pandemia decidiu reabrir o comercio. O governador João Doria fez uma espécie de escala de cores, as cidades vermelhos continuam com tudo fechado, as de cor laranja podem abrir algumas estabelecimentos e assim por diante, como se o estado não tivesse registrando diariamente um número enorme de mortos e infectados.

 

Na Praça São Pedro, as pessoas aplaudiram com entusiasmo quando o Papa conclui sua fala dizendo: “Nós, pessoas, somos templos do espírito santo, a economia não”.

 

Informações CUT

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

loading