Bancári@s de SP definem plano de lutas na Conferência Estadual da Fetec/CUT; pauta será apresentada na Conferência Nacional

A pauta que será apresentada na Campanha Nacional Unificada 2021/2022, que acontece em setembro, foi definida pelos bancári@s do estado de São Paulo durante a 23ª Conferência Estadual Fetec/CUT, realizada de maneira virtual no último final de semana. Na ocasião, foram eleitos 400 delegados.

 

Por conta da pandemia, pelo segundo ano consecutivo a conferência foi realizada de forma virtual, superando as expectativas de participação, com a presença de 426 delegados dos 14 sindicatos filiados à Fetec-CUT/SP, eleitos em assembleias e nas conferências regionais preparatórias.

 

O diretor de Administração e Finanças da federação, Roberto Rodrigues, apresentou o plano de lutas, que, entre outros temas, prioriza a saúde dos trabalhadores bancários, com fiscalização do teletrabalho, respeito à jornada e direito à desconexão. A manutenção da CCT, continuidade do aumento real e da PLR também protagonizaram o debate que ainda abordou o cenário caótico do país com o retrocesso imposto pelo governo Bolsonaro.

 

“Vivemos um dos piores cenários da nossa história, com o pior governo num momento extremamente delicado. São milhares de famílias enlutadas, pessoas em total estado de miséria, milhares de desempregados e nossa economia afundando de tal forma que levará anos para revertermos todo esse retrocesso e retirada de direitos impostos por esse governo genocida. Portanto, nossa luta vai muito além da garantia e manutenção de direitos. Historicamente a categoria bancária é linha de frente em lutas históricas e neste ano não será diferente. Não estamos sós. Estamos atentos e fortes. Vamos transformar nosso luto em luta, nas ruas e nas redes’’, concluiu a presidenta da Fetec/SP, Aline Molina.

 

Para a presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, Ivone Silva, o cenário atual exige que os trabalhadores de bancos enfrentem questões urgentes e fundamentais, como a defesa da vida, dos empregos, regime de home office, critérios para retorno presencial ao trabalho e garantia de direitos seriamente ameaçados pela política econômica do governo Bolsonaro, representado pelas privatizações, pela PEC 32, que vai destruir o serviço público, e pela MP 1045, que praticamente volta ao regime da escravidão e que também afeta diretamente os bancários. ”Por isso, os trabalhadores de bancos precisam estar mobilizados e organizados, junto ao sindicato, em uma campanha nacional forte.”

 

 

Confira o Plano de Lutas de 2021/2022

 

1 – Para negociação coletiva:

  • Manutenção da CCT e da mesa única de negociação;
  • Pela continuidade do aumento real e PLR;
  • Fiscalização de condições de para o teletrabalho/home office;
  • Respeito à jornada de Trabalho e ao direito de se desconectar;
  • Lutar pela representação de todos os seguimentos do Ramo Financeiro;
  • Reconhecimento da Patologia da COVID como doença ocupacional e emissão de CAT.

 

2 – Categoria bancária

  • Em defesa do Emprego e de mais contratações;
  • Contra o fechamentos de agências/departamentos;
  • Lutar por saúde plena e condições de trabalho dignas;
  • Defesa da Saúde e Segurança do trabalhador Bancário e Bancaria;
  • Combate às cobranças excessivas de metas que adoecem;
  • Contra os descomissionamentos arbitrários;
  • Reiterar e intensificar os protocolos Sanitários, como: uso de máscara, distanciamento, acrílicos nas mesas, renovação do ar, Sanitização e limpeza permanente;
  • dos Locais de Trabalho, entre outros;
  • Em defesa dos bancos e empresas públicas, e de seu papel social.

 

3 – Democracia para os trabalhadores(as)

  • Em defesa do estado democrático de direito;
  • Estatização do sistema financeiro com controle social e político;
  • Defesa da vida e das orientações médicas e sanitárias da OMC;
  • Fora Bolsonaro;
  • Vacina no braço, comida no prato!

 

Fonte: Fetec-CUT/SP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

loading