Parceria entre Seeb Guarulhos e SP garante reintegração de bancário do Bradesco seis meses após demissão

A parceria entre o Sindicato dos Bancários de Guarulhos e Região (Seeb Guarulhos) e o Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região (Seeb SP) resultou na reintegração de um bancário desligado pelo Bradesco em setembro de 2020, logo após o término de sua estabilidade pelo Instituto Nacional de Seguridade Social, o INSS.  *Marcos é funcionário do banco há 20 anos e desenvolveu depressão, estresse e síndrome do pânico por conta das pressões do banco, inclusive com Comunicações de Acidente de Trabalho (CAT) abertas durante o período e afastamento por B91 (auxílio doença acidentário).

 

 

O bancário trabalhou em Guarulhos durante toda sua trajetória com o Bradesco, mas antes de ser desligado da empresa, foi transferido para a cidade de São Paulo. “Nós já tínhamos todo o histórico desse trabalhador, já havíamos aberto o CAT junto ao banco, mas quando ele voltou do afastamento pelo INSS

 

 

foi transferido pelo Bradesco para São Paulo, tirando-o da base sindical, e em seguida demitido”, explicou a diretora do Seeb Guarulhos e secretária de Saúde, Daniela Cucio.

 

 

Após o desligamento, *Marcos procurou o Seeb Guarulhos e foi orientado a dar entrada em um novo afastamento pelo INSS. Paralelamente, Daniela entrou em contato com o Seeb SP, enviou toda a documentação do bancário que, após o retorno positivo do INSS e seis meses de espera, conseguiu reintegrá-lo ao quadro de funcionários do banco. “Esse caso resume o que o banco é: selvagem e cruel! Eles adoecem o trabalhador e de um dia para o outro ele é descartado. Nós fizemos a orientação  e conseguimos esse retorno ao quadro de funcionários, para que ele possa dar continuidade ao seu tratamento médico”, contou o dirigente do Seeb SP e bancário do Bradesco, Márcio Rodrigues.  “Somente os trabalhadores e trabalhadoras próximos ao movimento Sindical é que conseguirão combater as injustiças e a prova disso é o caso desse bancário”, finalizou.

 

 

A história – *Marcos trabalhou pelo Bradesco nos últimos 20 anos e desenvolveu depressão, estresse e síndrome do pânico graças à pressão sofrida durante o período, o que lhe rendeu afastamentos pelo Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) e aberturas de Comunicação de Acidentes de Trabalho (CAT) pelo Sindicato dos Bancários de Guarulhos e Região.

 

 

Ao retornar para o trabalho em meados de 2020, *Marcos foi transferido de Guarulhos para São Paulo sob alegação de “ajustes de quantidade de agência por regional” e demitido em seguida. “Eles disseram que estavam fazendo mudanças e meu perfil não se enquadrava. Nunca faltei, nunca me atrasei, não tinha horário para entrar e sair da agência, e no momento que mais precisei de apoio, me demitiram através de uma chamada de vídeo na frente da minha esposa e filhas”, relatou.

 

 

Nesse momento, o bancário procurou o Sindicato, através da diretora Daniela, e foi orientado a buscar novo afastamento pelo INSS. “Foi um processo muito desgastante, que demorou seis meses, mas a médica atestou novamente o afastamento. Tive total apoio da diretora (Daniela), do presidente e do Seeb SP”, continuou seu relato, reforçando a importância da sindicalização. “Sei que minha demissão foi fruto de perseguição, meu gestor não tinha empatia comigo e após me adoecer eu tinha certeza que ele me demitiria. Fui desligado porque fiquei doente e já estava na lista do gestor, em nenhum momento o banco olhou meu histórico de 20 anos, apenas constatou que me adoeceu e que eu não servia mais”, concluiu.

 

 

Assistência pós-demissão – Apesar de a lei não amparar a obrigatoriedade do Sindicato acompanhar o processo de homologação, é direito dos bancários e bancárias obterem assistência neste momento tão delicado. Desta forma, o Sindicato orienta que, em caso de desligamentos, @s bancári@s procurem a instituição para realizar a pré-homologação para que desta forma seja possível verificar a legalidade da demissão e calcular os valores devidos.

 

 

*O nome do bancário foi modificado a pedido do entrevistado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

loading