Com presença da delegação do Seeb Guarulhos, Conferência Estadual da Fetec aprova propostas para Conferência Nacional

Com foco nos direitos da categoria, da defesa das empresas públicas e da democracia, bancári@s de todo o Estado aprovaram no sábado, 28, as propostas que comporão a pauta de reivindicações da categoria na Campanha Nacional Unificada de 2022. A delegação, composta também pela diretoria do Sindicato dos Bancários de Guarulhos e Região, também elegeu os representantes que participarão da Conferência Nacional, marcada para o mês de junho.

 

Ainda pela pandemia, a Conferência foi realizada de forma híbrida, com a participação presencial e virtual de 426 delegados dos Sindicatos filiados à Fetec/SP, a delegação do Seeb Guarulhos e Região foi composta por nove participantes presenciais e 13 online. “Negociar com o banqueiro nunca foi fácil, a nossa bagagem nos dá experiência para nos impor, colocar na mesa que não abrimos mão de nenhum direito e brigar para ter aumento real. A nossa categoria produz muito lucro e precisa ser reconhecida”, explicou o presidente do Sindicato, Wanderley Ramazzini.

 

Entre as propostas que foram adicionadas à pauta que será levada à Conferência Nacional estão a previsão de redução  de dias úteis trabalhados na semana, representação sindical dos trabalhadores em home office, adequações no artigo sobre CIPA, aumento real de 5%, transparência dos bancos nas informações relacionadas às condições de trabalho dos funcionários, eleição de conselheiro de administração pelos funcionários dos bancos privados, tratamento e acompanhamento dos bancários no pós-Covid, além de artigos relacionados à saúde, condições de trabalho, combate ao assédio moral, sexual e fim de metas abusivas.

 

Também foi definido na Conferência Estadual o apoio à candidatura do ex-presidente Lula como única forma de impedir o avanço do fascismo e reestabelecer a democracia. “É importante colocar aqui que não basta que nos dediquemos à Campanha Salarial, mas também à campanha eleitoral. Precisamos refletir sobre tudo o que nos foi retirado com esse governo fascista e genocida, esse governo que matou Genivaldo, que tem como projeto matar o pobre. Não abaixaremos a cabeça, temos que levar as propostas de um governo democrático e que pensa nos menos favorecidos e é nas urnas que daremos a resposta”, concluiu Ramazzini.

 

Plano de ação – foi determinado durante a Conferência que haverá panfletagem e reuniões nos locais de trabalho, tuitaço e uso de todas as redes sociais, além de atividades em frente aos bancos.

 

Bandeiras de luta – defesa do emprego e dos direitos; manutenção da mesa única de negociações e do acordo de dois anos; luta pela saúde pública e melhores condições de trabalho; luta contra a terceirização e precarização; defesa dos bancos públicos; apoio às candidaturas que defendam direitos, bancos públicos e a classe trabalhadora; apoio e construção dos comitês de luta para debater a reconstrução do Brasil que queremos.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

loading